Desventuras em Série: O que eu achei

Hoje vim aqui falar pra vocês sobre Desventuras em Série, uma série que conta sobre uma série de desventuras de três personagens bem singulares e um vilão bem abobalhado (e mau, do jeitão dele).
Essa série é baseada nos livros de Lemony Snicket (pseudônimo de Daniel Handler) e no filme lançado em 2004 e conta uma história nada feliz de três crianças que passam perrengues danados durante a série inteira. Inclusive, achei que o mais interessante de tudo foi que a Netflix fez uma campanha contrária à série, avisando, desde sempre, que ela não continha cenas felizes e que é somente desgraça a parada toda.

Acredito que tenha dado tão certo, porque temos o costume esperar um final feliz e assistimos cada segundo na expectativa de que algo bom aconteça. Vou contar pra vocês que me pregaram muitas peças durante as cenas, achava que a hora boa ia chegar. Não chegava.

Gostei muito da forma com que a história é levada: temos um narrador!!! Eu adoro isso, foge do padrão! Durante toda a história, alguém (no caso, o autor, interpretado por Patrick Warburton) vai dando deixas e ligando informações pra que a história siga a diante.

Os personagens parecem ter sido construídos de forma bastante cuidadosa, também. Temos a Violet, que é uma garota de 14 anos com uma inteligência incrível que consegue fazer a nova estátua da liberdade com uma meia e um pó de café, se quiser; O Klaus, irmão do meio, que devora livros e por isso tem sempre informação necessária guardada na cachola (o que ajuda muito a Violet a completar os pensamentos e criar as invenções); E temos a Sunny, um bebê bem fofinho, que faz apenas resmungos durante a série inteira, mas é traduzida com frases, muitas vezes, complexas, o que traz um certo humor nas cenas mais sombrias.

 

Além dos três, temos o vilão da porra toda: Conde Olaf. No filme ele é interpretado pelo Jim Carrey, mas aqui é interpretado pelo Neil Patrick Harris, que traz um personagem ainda mais sombrio e maléfico do que o do filme.

A trama gira em torno da busca de novos tutores para os três irmão depois que, supostamente, os pais morreram num incêndio. O Conde Olaf tenta, de todas as formas, conseguir a guarda das crianças pra colocar as mãos na grana, mas é um personagem bem burrão e que só faz as famigeradas cagadas, além de ser extremamente egocêntrico. As crianças passam por uma série de tentativas de encontrar alguém para cuidá-las, mas o Conde acaba com todas as tentativas e faz uma zona na história toda. E a história, apesar de sombria e sem momentos felizes, consegue trazer um Q bem característico de humor, o que deixa leve a sequência pesada de desgraças.


Comparando o filme com a série, achei os dois bem válidos, uma adaptação muito bacana (não li os livros, me julguem). Mas achei o cenário da série mais legal. Talvez pela liberdade de tempo, eles tenham podido explorar mais objetos de cena e etc. Os figurinos, a maquiagem, toda a fotografia traz à tona o clima da triste história. Como se algo fosse colorido, mas já estivesse apagado. Achei muito legal a forma com que todo o visual passa o drama com uma pitada de humor.

Enfim, assisti a série em 3 dias (os episódios tem por volta de 40 minutos e a primeira temporada tem 08 episódios, no total) e fiquei realmente sem reação quando percebi que tinha acabado. Não sei se pela sensação de que algo bom realmente poderia acontecer e ainda não havia acontecido, ou se porque a história te prende pela beleza e cuidado da fotografia, como eu já contei pra vocês.

Eu adorei a série e se você gosta de filmes, séries e histórias “não tão pé no chão”, e de algo mais teatral, acho que deveria se entregar à Desventuras em Série. Ela é, de certa forma, mágica e eu acho mesmo que vale a pena pra quem tem esse gosto mais peculiar pra filmes e séries.

E aí, vocês já assistiram? Me contem o que vocês acharam e me dêem mais dicas de o que assistir agora que meus dias ficaram mais vazios sem as Desventuras.

Um beijo, dears.

Comentários do Facebook

comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *